a literatura de nós dois


estou cansada de brincar de contrários
cansei do nosso amor barroco
que complica mais que diz:
é muita palavra dizendo o oposto
é muito silêncio que contradiz

a idealização do romantismo, eu sei, nos pesa
nada de altar e perfeição.
começamos tortos demais,
intensos demais
para caber numa declaração -
seja ela de amor ou de anulação

a transgressão do modernismo
é liberdade demais,
é espaço demais
e somos medrosos:
 queremos algo a que nos prender.
será esse nosso erro?
pés presos no passado
com discursos voltados para o futuro?
incoerência, insegurança e incerteza
disfarçadas de relacionamento "maduro"?

arte pela arte
amor pelo amor:
era para ser simples
mas inventamos dificuldade
mas alimentamos a dor

Eu quero me jogar - por inteiro-
na imensidão dos sentidos
e a tua pontuação me limita.
E eu sei que sou toda conflito:
quero libertação da métrica,
mas ainda preciso da rima.
somos contemporâneos
mas ainda buscamos sentido
ainda buscamos sintonia

Eu vejo riqueza no assimétrico
Eu vejo beleza no inesperado
Eu acredito em nós
mesmo que sejamos antíteses...
queremos estar juntos
mas cada um do seu lado

apesar da loucura, eu acredito
há beleza no infinito
me diz que também acredita
mesmo que seja só fantasia.




1 Rompendo o asfalto:

Andréa Kopper disse...

Tudo é muito incrível por aqui.

Seguidores