nem tão moderninha.

"Eu simplesmente - eu - eu acho que o que eu faço mesmo é esperar. Esperar talvez que você mesma se aconselhe, não sei, Lóri, juro que não sei, às vezes me parece que estou perdendo tempo, às vezes me parece que pelo contrário, não há modo mais perfeito, embora inquieto, de usar o tempo: o de te esperar."
________________________________________________________________

Desculpe, mas não sou assim tão moderninha. Nem tão direta. Muito menos corajosa. Era uma necessidade, sabe-se lá. Era aquele nó que me incomodava. Aquele aperto com o qual eu não estava sabendo lidar. Era aquele medo de nunca ser. Era tudo, mas não era eu.

Eu sou abstrata, mesmo que isso me custe não ser entendida. O sentido figurado é o meu lugar. E eu perdi o chão só pra te fazer entender. E ainda assim acho que fiz tudo errado, como sempre. Eu te assustei; parabéns para mim.

Apesar das minhas palavras descontroladas, o que eu quero de você não tem nada a ver com sexo casual e "frivolidades". Eu quero você. E não é só no sentido de ter vontade de você. Acho que isso não me basta. Tesão e admiração por mim não me bastam. Eu te quero de verdade. Gosto tanto de você que sou capaz de abrir mão do pouco que poderíamos ter, sou capaz de esperar e esquecer essa história só pra não perder essa paz que você me dá. Eu sei bem o que quero; nada substitui o meu desejo. Ainda que você ache que não pode me dar o suficiente, eu espero.

"Eu já poderia ter você com o meu corpo e minha alma. Esperarei nem que sejam anos que você também tenha corpo-alma para amar. Nós ainda somos moços, podemos perder algum tempo sem perder a vida inteira."


0 Rompendo o asfalto:

Seguidores